Pesquisas

Filtros:

UFV tem 18 professores em ranking dos mais citados na plataforma Google Scholar

Dezoito professores da UFV estão entre os três mil pesquisadores brasileiros mais citados na plataforma Google Scholar, um sistema de busca eletrônica de artigos científicos.

Dezoito professores da UFV estão entre os três mil pesquisadores brasileiros mais citados na plataforma Google Scholar, um sistema de busca eletrônica de artigos científicos. De acordo com oWebometrics Ranking of World Universities, que, pela primeira vez incluiu autores do Brasil, o professor Cosme Damião Cruz, do Departamento de Biologia Geral, ocupa o primeiro lugar na UFV e o 271º no país com 11.183 citações.
 
Também estão no ranking os professores Marcos Heil Costa (Engenharia Agrícola), Acelino Couto Alfenas (Fitopatologia), Fábio Murilo da Matta (Biologia Vegetal), Aluizio Borem (Fitotecnia), Maurício Paulo Ferreira Fontes (Solos), Francisco Murilo Zerbini (Fitopatologia), Wagner Campos Otoni (Biologia Vegetal), Hugo Ruiz (Solos), Eduardo Seiti Gomide Mizubuti (Fitopatologia), Reinaldo Bertola Cantarutti (Solos), José Henrique Schoereder (Biologia Geral), Luiz Antônio dos Santos Dias (Fitotecnia), Ângelo Pallini (Entomologia), Paulo Sávio Lopes (Zootecnia), Mario Luiz Chizzotti (Zootecnia), Marcelo Lobato Martins (Física) e Winder Alexander Moura Melo (Física).
 
Justificativa
Para Cosme Damião Cruz, a explicação de seu bom posicionamento no ranking está relacionada ao fato de ter um número expressivo de publicações em periódicos científicos: cerca de 490 registradas no Lattes. Além disso, ele avalia que os livros de sua autoria, a maioria destinada ao público de pós-graduação, também contribuíram para a boa colocação. Isso porque são rotineiramente utilizados e citados em artigos científicos, o que aumenta sua visibilidade e fator de impacto. E exemplifica: “somente o livro Modelos Biométricos Aplicados ao Melhoramento Genético foi citado 2.600 vezes”.
 
Outra contribuição importante, também captada pela filosofia do Google Scholar, segundo o professor, é o desenvolvimento e a divulgação de aplicativos computacionais. Como ele é criador dos programas genesgbol e gqmol, a inserção no ambiente web também está fortemente associada a estes aplicativos. 
 
Cosme Damião lembra que a universidade trabalha essencialmente na formação de alunos, na geração de conhecimento e no desenvolvimento tecnológico. Por essa razão, considera fundamental que suas ações sejam registradas para uso atual e futuro e divulgadas para a sociedade da forma mais abrangente possível. Em sua opinião, o ambiente web, por meio de sites e das redes sociais, é indispensável no mundo globalizado: “cabe a nós, pesquisadores, estarmos atentos ao seu uso adequado para a divulgação de nossos trabalhos".
 
O professor conta que sempre utilizou a internet como canal de divulgação científica. Contudo, lembra que, como o ambiente web é essencialmente aberto, são necessários certos cuidados, especialmente com informações de natureza científica e acadêmica. “Avanços têm sido obtidos nas questões da avaliação da originalidade do material de divulgação, de plágios, da qualidade, da duplicação e fragmentação da informação, dentre outros aspectos. O sistema certamente não é perfeito, mas com visibilidade, críticas e sugestões, é possível ter informações com credibilidade e de benefício para todos”, avalia.
 
Ranking
ranking, elaborado pelo Laboratório Cybermetrics, do Consejo Superior de Investigaciones científicas (CSIC), uma instituição pública da Espanha dedicada à investigação, levou em conta dados do Google Scholar Citations (GSC) coletados na primeira semana de fevereiro. Ele é uma versão beta, ainda em desenvolvimento, baseada em informações voluntariamente declaradas no GSC.
 
Vale destacar que o Google Scholar Citations é uma base de dados bibliográficos livre com mais de 160 milhões de documentos originais, muitos com acesso para as versões completas. É uma ferramenta que permite não apenas a divulgação de publicações em geral, mas também a informação de quantas vezes elas foram citadas.


Site UFV